Pesquisar canções e/ou artistas

17 novembro 2010

320. Balada de Gisberta

Gilberto Salce Júnior, ou melhor, a transsexual brasileira Gilberta foi assassinada na cidade do Porto, em Portugal, em fevereiro de 2006. Antes, durante dois dias, sofreu todo tipo de violência verbal e física, mantida sob cárcere, por um grupo de adolescentes (entre 12 e 16 anos de idade).
A "Balada de Gisberta", de Pedro Abrunhosa, restitui à personagem sua condição humana, destroçada; leva-nos, com tais informações extras, a pensar sobre as políticas públicas de segurança e respeito mútuo universais; e guarda de menores.
Cantada em primeira pessoa, a canção, com suas porções generosas de fantasia, realidade e delírio, pergunta: Qual é a participação de cada um de nós (ouvintes: tocados e chocados) neste monstruoso assassinato? O que motiva tais gestos? Corpo profanado pelas crianças-carrascos, que dizem estar "brincando", Gisberta exige resposta, ação e mudança coletiva e efetiva.
É com esta canção que Maria Bethânia fecha o primeiro ato de seu show Amor Festa Devoção (guardado em disco de mesmo nome, 2010). Transfigurada em Gisberta (a sem nome, sem sexo: só paixão e queda) a cantora imprime o tom mais que perfeito para marcar a saída de cena: quando perigo e encanto; alerta e convite nos envolvem.
Moradora de rua, arrastada, depois da tortura, para ser arremessada dentro de um poço d'água e morrer afogada, Gisberta é símbolo e signo de nossa condição (des)humana. Aliás, ela seria queimada viva, mas a água, ao invés do fogo, pareceu ser um final "melhor": já que o corpo afundaria, apagando para sempre a imagem de Gisberta e da "brincadeira infantil".
A água e seu mugido fez de Gisberta a sereia que não nos deixa esquecer o quão longe estamos do amor (potência sempre em desenvolvimento) coletivo. Se só o (trans)amor é real, Gisberta o chama: mesmo que ele esteja tão longe.
O amor é tão longe! Há limite para a brincadeira? Qual? O fato de Gisberta ser soropositiva e toxicodependente, como sugeriram alguns advogados? Quem matou Gisberta? A água ou as crianças?, perguntou o Ministério Público. Homicídio ou afogamento?
Importa mesmo saber? O fato é que todos (indistintamente) precisamos rever conceitos, pois, enquanto enche-se as micaretas LGBT, Gisbertas à mancheia morrem. Alguma coisa está fora da ordem faz tempo: militantes, ou não, precisam perceber isso.
"Perdi-me do nome, hoje podes chamar-me de tua", diz a Gisberta que fala na canção. Ela é uma legião: carrega na voz a multidão de marginalizados, que servem apenas para dançar em palácios, oferecer-se a mil homens, e logo depois ser descartados.
Urge responder à altura: dialogar e dizer a Gisberta que, acima dos fundamentalismos, ainda vale a pena e é possível sonhar e realizar dias melhores, sem juízos finais. Agora. Pois o céu da felicidade, de cada um e de todos, não pode esperar.

***

Balada de Gisberta
(Pedro Abrunhosa)

Perdi-me do nome,
Hoje podes chamar-me de tua,
Dancei em palácios,
Hoje danço na rua.
Vesti-me de sonhos,
Hoje visto as bermas da estrada,
De que serve voltar
Quando se volta p’ró nada.

Eu não sei se um anjo me chama,
Eu não sei dos mil homens na cama
E o céu não pode esperar.
Eu não sei se a noite me leva,
Eu não ouço o meu grito na treva,
E o fim vem-me buscar.

Sambei na avenida,
No escuro fui porta-estandarte,
Apagaram-se as luzes,
É o futuro que parte.
Escrevi o desejo,
Corações que já esqueci,
Com sedas matei
E com ferros morri.

Trouxe pouco,
Levo menos,
E a distância até ao fundo é tão pequena,
No fundo, é tão pequena,
A queda.
E o amor é tão longe,
O amor é tão longe
E a dor é tão perto.

28 comentários:

Por que você faz poema? disse...

A dor está sempre
perto demais.

Neli N disse...

Você, como sempre, escreveu bem e com sensibilidade, caro Leonardo.
Às vezes, é tão duro viver nesse mundo onde os seres só tem valor de mercado...
Hoje eu estou com o peso desse mundo nas minhas costas.
bjs,
Neli

Anônimo disse...

Se não participei da parada, isso fica para lembrar de que faço parte. No matter what.
Bjs

Renan Ji

Marcio Debellian disse...

seu tweet chegou enquanto ouvia a música no carro! Essa música é linda e a história da Gisberta uma loucura. Abs!

Carol (UFF) disse...

saiba que seu último texto me emocionou muito! Não sei se isso se agradece, acho que seria como dizer "obrigado" a quem lhe desejou "merda" no teatro... Por via das dúvidas, obrigada! E... merda!
Bjs,

Anônimo disse...

Seu texto está maravilhoso:sensível, cortante, contundente.Parabéns.Tereza Teles

FRANCO, Murilo disse...

"Qual é a participação de cada um de nós nesse monstruoso assassinato?"
"E o céu não pode esperar"

Texto excelente! Música dolorida...
Estive emocionado.

Vinicius Ribeiro disse...

que coisa mais divina! Fico feliz de haver ainda pessoas que escrevem tanta clareza de pensamento e sensibilidade. Genial!

Under_son* disse...

Caro Paraioca
Que lindo este texto! Eu o li emocionado. Como eu já gosto muito da música e da interpretação da Bethânia ele ficou ainda maior e melhor com esta resenha. A dor que falam ambos os que escrevem chega perto demais da gente que acompanha. E depois de ler, pensei, em quanto tempo aquela sensação me acompanharia? Só o tempo leva uma dor. Mas, nunca leva completamente.

Under_son* disse...

Caro Paraioca
Que lindo este texto! Eu o li emocionado. Como eu já gosto muito da música e da interpretação da Bethânia ele ficou ainda maior e melhor com esta resenha. A dor que falam ambos os que escrevem chega perto demais da gente que acompanha. E depois de ler, pensei, em quanto tempo aquela sensação me acompanharia? Só o tempo leva uma dor. Mas, nunca leva completamente.

Alexandre Bonafim disse...

Querido Davino, estou perplexo com o que li no seu tão belo blog! Essa canção agora se tornou uma oração para mim! Um cântico de respeito à vida! Obrigado!

Anônimo disse...

Rapaz desde a primeira vez que assisti ao DVD e me deparei com o momento em que Bethania interpretava esta canção algo que me tocou profundamente me levando a pesquisar a origem da música e uma grata surpresa me levou até você. Belíssimo comentário e que história.

Lázaro disse...

Poucas canções emocionam tanto no show!
Fiquei intrigado com o poder da letra da música e quis saber a sua origem.Fiquei mudo, pasmo, perplexo ante os fatos ocorridos e transformação da história em poema canção.
Que bom que existem pessoas com tamanha sensibilidade como você, capaz de entender, traduzir e dividir pensamentros tão nobres!

Alexandre Marinho disse...

Meu caro, estou arrepiado com sua declaração abrunhosiana da leitura de Balada de Gisberta. Muita sensibilidade e acima de tudo sacação do conteúdo da música. Dou os parabéns ao Doutor que você merece ser e carregar esse título.

Danni disse...

Olá Leonardo,

Quando ouvi essa música achei linda. Me despertou a curiosidade de saber sobre a história da música e encontrei seu blog com um texto realmente perfeito, emocionante. Adorei. Parabéns!

Anônimo disse...

Não conhecia a música na voz de Maria Bethania,porem ouvi e vi o cantor Ricky Vallen cantando lindamente e fui procurar saber e te encontrei com este texto lindo e verdadeiro,parabens ao compositor Antonio Abrunhosa pela inspiração e parabens aos cantores e a vc que soube dizer a paranoia de alguns que fazem a dor ser sentida na carne.

Dada disse...

Tambem ñ conhecia a música,mas através do cantor Ricky Vallen,que para mim ñ cantou diferente da rainha,mas cantou a altura,e fiquei de boca aberta,dentro de uma Lona Cultural ouvindo uma letra tão forte,com uma melodia tão suave,só intérpretes de responsa para buscar perolas da nossa MPB...parabéns!Dadá.

Martafalei disse...

Como disse a Dadá...
Também conheci através do incrível cantor Ricky Vallen que nos apresentou e presentou com uma interpretação primorosa, explorando a carga dramática da letra e deixando-nos extremamente emocionados....
Lindo demais!
Marta Leite

Diogo Didier disse...

Essa música é digna de aplausos, não só pela qualidade poética inegável, mas sim por toda a carga significativa emprednada nos seus versos.

Belo post!

bjoxxxxxxxxxxx no coração!

Pedro Abrunhosa disse...

http://www.youtube.com/watch?v=e4Kn6AgcfhY&feature=related

Podem ver a versão original aqui

Jurema disse...

Parabéns pela letra de altíssimo valor poético. Vc foi perfeito!!! Já conhecia a música na voz da Diva, mas também achei linda a interpretação do cantor Ricky Vallen de quem sou fã.
Um grande abraço!!!

Ivo Fernandes disse...

Excelente comentário. Parabéns

João Ludugero disse...

Adorei vir aqui e te ler.
Passe lá no meu blog,
se puder me adicionar,
vou adorar ter seus coments.
Abraços,
joão,poeta

Anônimo disse...

Olá, cheguei aqui querendo saber quem foi Gisberta após ouvir Bethânia no rádio, e assim como a canção seu texto é maravilhoso. Parabéns! Sou (já consigo dizer) poeta e faço um espetáculo com meus poemas de amor e humor, e tenho um Blog: manoelherculano.blogspot.com
Abraço
Manoel Herculano

Anônimo disse...

Lindo,lindo.Seu texto maravilhoso, avoz maravilhosa de Bethania,mas...
a tristeza da ignorância alé-mar,como cá.Bjs.

Alexandre Pantaleão disse...

Me emocionei muito com seu texto. Ha alguns meses ouço está música todos os dias. Hoje encontrei seu texto e fui as lágrimas. Obrigado...sinceramente obrigado.

Alexandre Pantaleão.

ADEMAR AMANCIO disse...

Não conhecia nem essa letra,nem a história.por que será que tanta gente se dispôs a comentar esse post?

samohT disse...

Cara... excelente texto.
Sempre fui tocado por esta música e hoje entendi melhor porque. Muito obrigado!

PS: a ideia do teu blog é maravilhosa! Estou criando um blog de literatura e espero que não te ofenda se eu fizer uma coluna com uma proposta parecida (não copiarei posts, será um olhar diferente).