Pesquisar canções e/ou artistas

29 agosto 2010

241. Tudo diferente

"Tudo diferente", de André Carvalho", gravada por Maria Gadú (Maria Gadú, 2009), trata daquele amor que tinha de ser: histórias que, irreversivelmente, se encontram em algum ponto do caminho; personagens que se tocam pela força do destino.
O sujeito da canção, na certeza de que o outro é a esperança (de vida), espalha versos que chamam a atenção do outro para a magia do encontro dos dois. Faz isso utilizando, ainda, de reforços retóricos, típicos da fala - como o "viu?" e "né?" no fim do segundo verso -, buscando a reciprocidade, mas também se aproximando (tornando-se íntimo) do destinatário: investigar se o outro compactua das mesmas ideias e sentimentos.
Sempre metade, quando andava distante do outro, o sujeito investiga (e canta) suas (meias: forjadas) verdades para persuadir o outro e fazer este concordar com a urgência da relação: a alegria de estarem, finalmente, como se a vida toda concorresse para isso, um perto do outro.
Sempre opostos, mas, mesmo por isso, imbricados, o sujeito tenta reproduzir o som do mundo, que o outro (o encontro com o outro) lhe faz ouvir: "falo por ouvir o mundo", diz. E completa: "Tudo diferente de um jeito bate"; tomado pela força que embala (e embeleza) tudo, agora.
A canção é só para dizer e diz: "porque foste em minha alma como um amanhecer; porque foste o que tinha de ser". E agora, cabe ao sujeito viver cantando a vida que este encontro lhe dá. O arranjo sofisticado e os vocalizes de Gadú adensam a beleza do canto do sujeito feliz.

***
Tudo diferente
(André Carvalho)

Todos caminhos trilham pra a gente se ver
Todas as trilhas caminham pra gente se achar, viu (né)
Eu ligo no sentido de meia verdade
Metade inteira chora de felicidade

A qualquer distância o outro te alcança
Erudito som de batidão
Dia e noite céu de pé no chão
O detalhe que o coração atenta

Você passa, eu paro
Você faz, eu falo
Mas a gente no quarto sente o gosto bom que o oposto tem
Não sei, mas sinto, uma força que embala tudo
Falo por ouvir o mundo, tudo diferente de um jeito bate

Nenhum comentário: